TopAd-Desk
TopAd-Mob
Início Destaques Coluna | Era Sol que me faltava | Aqui não se vive...

Coluna | Era Sol que me faltava | Aqui não se vive e sempre foi assim

“Aqui não se vive, muito se pensa em trabalhar e em fazer sempre as mesmas coisas sob o pretexto de que sempre foi assim”. Esta frase ouço repetidas vezes desde que partilho a vida com um jovem carioca. As linhas de hoje são um tanto confessionais, aviso de antemão.

O trabalho é um traço cultural da nossa região, aquele que inflamos os pulmões e o ego para entoar cheios de orgulho, como se fosse grande coisa ou elemento de distinção moral superiorizante que nos coloque em outro patamar evolucionário. Ouvir, quase que diariamente, que aqui não se vive, me feriu por um bom tempo. Mas, como é de minha práxis psicológica associar aquilo que nos ofende com aquilo que mais intimamente concordamos, obriguei-me a refletir.

A vida pacata, segura e altamente laboral que temos a oportunidade de viver também é um limitador da expansão intelectual, que, é óbvio, não precisa ser desejada ou almejada por todos, afinal, o mundo sempre demandará de Faustos. Somos a mais perfeita definição de sujeitos em servidão, e de quebra, ainda somos felizes por isso. A leitura recente da obra: Admirável mundo novo, de Aldus Huxley, somada à curta viagem de férias no fim do ano, faz-me arriscar afirmar que essa limitação intelectual que vivemos se deve a uma distância abismal de expressões da grande arte e, também, porque não, de situações que imponham desafios mais viscerais a nossa vida. A redoma que nos protege nos deixa burros.

“Esse é o preço que temos de pagar pela estabilidade. É preciso escolher entre a felicidade e aquilo que antigamente se chamava a grande arte. Nós sacrificamos a grande arte […] Não é somente a arte que é incompatível com a felicidade, também o é a ciência. Ela é perigosa; temos de mantê-la cuidadosamente acorrentada e amordaçada.” Este fragmento extraído de Admirável mundo novo, me traz algum entendimento das razões pelas quais encontramos negacionistas em cada esquina das cidades de nossa região.

Nutrir aquilo que chamamos de alma, ou espírito (ou o nome que se queira dar) com grande arte é o que nos falta. Assistir a uma peça de teatro e admirar o talento dos artistas; permanecer longos instantes ouvindo música erudita, que se ouvida com dedicação faz as vísceras se moverem; contemplar uma obra pintada, esculpida, xilogravada, não há preço no valor disso; visitar museus, edifícios históricos, ou então, simplesmente, olhar com dedicação para a magnificência da natureza, nos amplia, nos expande, nos eleva.

Infelizmente, é possível percorrer todo tempo da existência sem questionar-se sobre a vida uma única vez. Não atoa nos sentimos tão vazios de sentido e buscamos desesperadamente nos dignificar no trabalho.

Solange Kappes
Psicóloga CRP 12/15087
E-mail: [email protected]
Redes sociais:www.facebook.com/solange.kappes | Instagram: @solangekappes


A opinião dos colunistas não reflete necessariamente a visão do veículo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SideBarAd-Desk/Mob (custom)

MAIS LIDAS

Chapecó começa a vacinar crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19

Na manhã desta segunda-feira (17), a equipe de Vigilância Epidemiológica anunciou o início da aplicação da primeira dose da vacina contra a Covid-19 em...

Pandemia fez um novo bilionário a cada 26 horas, diz Oxfam

Da Agência Brasil Enquanto a pandemia colocou na pobreza mais de 160 milhões de pessoas, um novo bilionário surgiu a cada 26 horas desde o...

“A maioria dos Heterossexuais são Homoafetivos” | Coluna: Era Sol que me faltava

Poucas coisas ofendem tanto um heterossexual que adora publicizar sua virilidade e dominância, do que sugerir que ele pode ser homoafetivo recalcado ou reprimido....

Sobe para 15 o número de regiões com alto nível de contágio de Covid-19 em SC

Da Secom Governo SC A Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada no último sábado (15) aponta 15 regiões classificadas como risco potencial alto (cor amarelo)...
BaseAd-Desk
BaseAd-Mob