TopAd-Desk
TopAd-Mob
Início Opinião A ampulheta da vida!

A ampulheta da vida!

Coluna: Era Sol que me faltava

Começar a escrita de hoje com uma confissão, eu estou estarrecida e em êxtase com a repercussão da coluna anterior, um agradecimento verdadeiramente especial para quem leu minhas linhas.

Tive a sensação de que textos provocativos e que não ofereçam fórmulas de vidas felizes e maravilhosas, mas que façam refletir sobre a nossa própria, talvez seja o que estejamos precisando para o momento. Dessa forma, decidi continuar neste caminho e trazer uma nova provocação de Nietzsche para a reflexão desta semana. Segue:

“Essa vida, tal como a vives atualmente, tal como a viveste, vai ser necessário que a revivas mais uma vez e inumeráveis vezes; e não haverá nela nada de novo, pelo contrário! a menor dor e o menor prazer e o menor suspiro, o que há de infinitamente grande e infinitamente pequeno em tua vida retornará na mesma ordem […] A eterna ampulheta da vida será invertida sem cessar […] queres isso ainda uma vez e um número incalculável de vezes?” (p. 207)

Que provocação, vocês concordam?

Filosofa Epicteto e assim faço uso que, nossa vida se divide parte naquilo que é inexorável, inadiável e destino, fatos e acontecimentos sobre os quais não temos ação sobre; e parte naquilo que podemos alterar, interferir e determinar a partir das nossas escolhas.

Diferente de todas as outras espécies, nós não nascemos escravizados pela nossa natureza e nos (re)fazemos e (re)construímos ao longo da vida toda.

Dito isto, e então? você aceitaria reviver tua vida tal como a viveste até agora? sem alterar nada, absolutamente nada, nenhuma vivência de dor e sofrimento ou de alegria e riso. Se tua vida não decorre do teu agrado, e te faz pensar que a resposta seria não!

Então faça alguma coisa, coloque teu esforço, vontade de viver, tesão pela vida, com toda força sobre a parte da tua existência em que tu tem ação sobre.

Para que se possa responder Sim! o que é preciso? é preciso que sejamos capazes de amar a vida e a nós mesmos, com todas as nuances que carrega o amor. Inclusive sobre os fatos que são inevitáveis, como sugere Epicteto, amar seu destino, tudo que acontece e não escolhemos e que, por vezes, inclusive nos agride, nos apequena, e pretende nos aniquilar.

É, amar é desafiador, amar a vida mais ainda, afinal, exige que sejamos capazes de escolher aceitar algo que leva a todos nós para a mesma direção, o pó. Dizia Abujamra: “A vida é uma causa perdida” de fato é, sempre a perderemos no final, no entanto, ela vale cada agrura.

O café esfria.

Caloroso cumprimento e até semana que vem!

Solange Kappes
Psicóloga CRP 12/15087
E-mail: [email protected]
Redes sociais:www.facebook.com/solange.kappes | Intagram: @solangekappes

SideBarAd-Desk/Mob (custom)

MAIS LIDAS

Que venham mais 3 pontos | Coluna Falando de Grêmio

Buenas Gremistada! Na esperança de que todos estejam bem, venho aqui mais uma vez falar do nosso Tricolor, e foram duas vitórias seguidas.Foram duas...

Há pessoas que são como algumas frutas, vão do verde direto para o podre, sem passar pelo maduro | Coluna Era Sol que me...

De minha parte, muitas linhas já foram empreendidas para apontar o que a maturidade não é, e, honestamente, afirmar o que ela é ou...

Bolsonaro edita decreto perdoando crimes de Daniel Silveira, condenado pelo STF

O presidente Jair Bolsonaro editou decreto nesta segunda-feira que concede o "instituto da graça" ao deputado federal Daniel Silviera (PTB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal...

Ciclista é atropelada por ambulância do Samu em SC

Uma ciclista foi atropelada por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Criciúma, no Sul catarinense. A mulher foi levada...
BaseAd-Desk
BaseAd-Mob